19 de julho de 2010

Essa chuva que cega os cristais


A tarde bruscamente se aclarou,
porque já cai a chuva minuciosa.
Cai e caiu. A chuva é só uma coisa
que o passado por certo freqüentou.

(Bruscamente la tarde se ha aclarado
porque ya cae la lluvia minuciosa.
Cae o cayó. La lluvia es una cosa
que sin duda sucede en el pasado).

A chuva
Jorge Luis Borges
Tradução: Renato Suttana

5 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

Que lindas fotos, de uma poesia intrínseca que você transmuda numa beleza ímpar ao completar com Borges. Inspirador (principalmente pra quem está a 37o às 18hs)...

Belos e Malvados disse...

Você mora em Fortaleza, não é? A última vez que fui ai quase derreto de calor. Não tenho a menor resistência ao sol. Sofro horrores.

Borboletas nos Olhos disse...

Belos, ah se eu ainda morasse em Fortaleza, porque como canta Bethania "no Nordeste faz calor também, mas lá tem brisa" e viver de brisa me agrada enormemente...por força do concurso na Universidade, moro no RN, em Mossoró (a uma hora do mar, como eu posso, senhor?)

Lélia Maria disse...

o poema é lindo. ainda mais em espanhol. as fotos estão ótimas. embora a chuva incomode.

Belos e Malvados disse...

Fui eu que fiz as fotos. Pisc, pisc. #fotógrafafrustrada