21 de julho de 2010

Senhor, senhora ou senhorio, Felino, não reconhecerás

Quando Rufus, nosso cachorro, morreu em fevereiro decretei que não criaríamos mais animal nenhum. Hoje temos um gato. Na verdade, ele veio não sei de onde e se apossou de tudo e de todos.
Acho gato um bicho estranho, alheio, não interage com ninguém a não ser por algum motivo. Geralmente fome ou sede. Às vezes fico pensando que gente como eu, que tem uma timidez quase patológica, também pode passar essa impressão de chatice, arrogância ou pouco caso. (Tá...ou abobalhamento total a depender do dia). De qualquer maneira acaba sendo fácil afastar os outros.
Um professor me disse há trezentos anos que timidez é excesso de vaidade. As pessoas têm tanto medo de mostrar que são imperfeitas que se retraem. Não sei. Hoje aceito o que sou sem sofrer muito, mas é claro que passo milhares de impressões que estão longe da minha realidade. Eu e o resto do universo. Porque é assim que as coisas são: cada um usa uma medida diferente prá pesar o mundo. Como recriamos textos inteiros com a nossa leitura, também recriamos os outros e às vezes há muito ruído nessa comunicação.
Whatever. Com timidez ou sem timidez acabamos sendo um bocado de coisas que nem somos. Isso só não vale para o gato que nos adotou. O bichano é terrível mesmo. Tão terrível que está quase me convencendo a sair de casa, ir até o supermercado buscar latinhas e latinhas de ração. E de uma marca boa. Só prá ver se ele para de torcer o focinho prá tudo.


11 comentários:

Leonardo Xavier disse...

Depois que o cachorro daqui de casa morreu, eu confesso que até que não tive mais animo para ter outro. Ultimamente, eu até tenho pensado a respeito do assunto.

Agora eu nunca me imaginei tendo gatos de estimação, até por que papai detesta gatos, a ponto de espantá-los do quintal daqui de casa.

Mariana disse...

Quando a minha cadela, lindona e amiga se for, não pretendo ter outro, MESMO! Vamos combinar, êles dão trabalho demais. A daqui, Eva, é muito bem tratada, mas não sei fazer essas vontades que você faz prá seu bichano, sabia?

Borboletas nos Olhos disse...

Nós, gatos, já nascemos pobres, porém já nascemos livres...acho que vou mudar de bicho, rsrsr.

Caminhante disse...

Nunca pensei em timidez como vaidade. Nem em gatos tímidos. Que tal assim - pessoas são tímidas e gatos são vaidosos.

Belos e Malvados disse...

Caminhante, acho que timidez pode sim ter uma boa dose de vaidade. E que os gatos sofrem de uma espécie de autismo. Só existem eles no mundo.

Lélia Maria disse...

lá em casa não se cria nem peixe. é decreto federal e irrevogável. quanto à timidez, acho que não passa pela vaidade, pode até ter charme. mas é bem mais difícil viver com ela do que sem ela. isso vc sabe bem. beijos.

Teo disse...

Bem... o animal de estimação tem a ver com a modo de ser da pessoa... acho você mais gato que cão.
Voces vão se dar bem. Caso tenha muita aversão, não convivam bem ou críticas a forma de se comportar dos gatos, pense isto como uma oportunidade de auto-conhecimento
Eu costumo ver nos outros aquilo que não gosot em mim mesmo...
bjs Teo

Belos e Malvados disse...

Acho que é por ai mesmo Teo. Desde que esse gato chegou tenho pensado muito sobre mim, minha personalidade. Mas às vezes sou muito poodle tb. Não sei o que é pior.rs. Um beijo.

Maria do Carmo Vieira disse...

Ótimo texto, Bela; vc escreve muito bem. Bjus!

Belos e Malvados disse...

Obrigada Maria, um beijo prá vc.

Lucila disse...

Nada de gatinhos de estimação. Hoje, no máximo um passarinho. Nem peixe gosto, pq precisa de uma bomba para o aquário insuportável. Sou chata mesmo! rsrs