19 de janeiro de 2011

Meu amigo Jaul

O menino não conseguia acertar o nome do colega de jeito nenhum. Joel virava Jaul sem a menor explicação. Como o caso já estava ficando constrangedor, a mãe pegou o menino e o doutrinou a tarde inteira: O nome é Joel, meu filho.
No começo foi difícil, mas depois a criatura começou a repetir:
- Joel.
Diga de novo:
-Joel.
Outra vez:
- Joel.
Como é?
- Joel!
No dia seguinte o menino avistou o colega e foi todo contente contar a novidade.
- Olha, já sei falar "Joel", Jaul.
...
...
...

Às vezes a vida é bem assim. Você até que aprende, mas continua errando por puro hábito. Não é não?

9 comentários:

Mariana disse...

Dizem que aperfeiçoar a rotina, é a receita de uma boa caminhada, sem tropeços.

HG disse...

É sim! É sim! kkkkk

Leonardo Xavier disse...

Eu acho que é verdade, mas é a velha diferença entre saber que algo está errado e estar disposto a gastar energia para consertar esse problema.

Shuzy disse...

Eu ri... Pq a princípio, parece piada... Mas, é verdade sim. O pior erro é aquele que já tornou-se um hábito...

Lélia Maria disse...

é. é isso mesmo. muito bem colocado, anne.

Danielle Martins disse...

Se é... a gente se acostuma até com os erros...

Borboletas nos Olhos disse...

Eu gosto de rotinas, são confortáveis. E, em certos casos - como esse - hilárias.

Maria do Carmo Vieira disse...

São os velhos cascões...

Belos e Malvados disse...

Maria, ou muletas.