7 de maio de 2010

A diferença.

Nos idos de muito antigamente esta que vos escreve era uma criatura chorona que gostava de carregar no blush existencial (menina, vai fazer teatro prá canalizar tanta dramaticidade). Igualzinho a hoje. A diferença é que não acreditava em diários. Nunca tive quis nenhum de papel.

8 comentários:

Lélia Maria disse...

ainda bem que vc mudou de ideia e a este diário a gente tem acesso. beijos

Caminhante disse...

Eu tenho diário de papel até hoje...

Borboletas nos Olhos disse...

Ainda estou gargalhando, lembrando que ou mãe é mesmo muito parecida ou nós- filhas - é que somos! Minha mãe também me mandava fazer teatro (não sei porque ela achava que eu fazia drama só porque me jogava aos pés dela, agarrava-os e ficava berrando "nãããooo, não faça isso" pelas coisas mais triviais). Pensando bem ter quetro blogs seja uma forma de compensar a eterna ausência de diários...

Belos e Malvados disse...

Beijos Lélia.

Caminhante, sei lá por que, mas me dá preguiça só de pensar.

Borboletas, me diga, por acaso você é canceriana? rs.

Borboletas nos Olhos disse...

Que nada, sou de peixes no signo, lua e ascendente...

lmssp disse...

ane, se vc riscou q nunca teve, é sinal q vc comprava-os, junto c aquelas resoluções de ano novo e NUNCA os preenchia. se for, somos 2!!

quando fala de diário, sem ser presença forte em adolescente, só lembro de uma das várias helenas de manoel carlos (aquela q trocou os bbs)...

mas é bom, mt bom mesmo... funciona!

Belos e Malvados disse...

É verdade IMSSP, ter, bem que eu tive, só não gostava de escrever neles.
E esta Helena da Regina Duarte foi um dos últimos bons personagens do Maneco.

S. disse...

Blush existencial é óutimo!!!!! xero!!!