4 de dezembro de 2010

A insustentável natureza humana

Houve um tempo em que eu vivia mais viajando que em casa. Tinha um grupo bom de amigos na universidade e sempre que possível a gente ganhava o mundo. Fosse para participar de congressos, fosse por pura diversão. Fim de semana, todo mundo junto,  barzinhos, shows. A vida era uma festa. Mas é claro que havia alguém de fora que se incomodava de algum jeito. E as críticas vinham aos borbotões, veladas, disfarçadas de conselhos,  diretas ou  em forma de piadinhas mesmo.
Depois a fase passou e veio o tempo de trabalhar feito louca. Dois, três empregos, casa, marido, filhos. Época de almoçar dentro do ônibus e de se ver, de repente, perseguindo ambições que nem são suas.
Claro que havia críticas, porque você mais uma vez não estava seguindo o modelo de alguém. E esse alguém precisava se levantar como a grande palmatória do mundo. Chegaram a me dizer que, no futuro, meus filhos "iriam cobrar o tempo que não passei com eles, porque estava mais interessada na minha profissão". Eu era A egoísta.
Mais uma vez o mundo gira, você muda naturalmente . É outro contexto, outras prioridades, você já fez o que quis,  agora quer sossego. Casa, computador, sua bolha. Liga o Foda-se.
Claro que vai enfrentar críticas. Gente que acha que você deveria usar o tempo livre "para coisas úteis" ou que tem algum problema emocional porque abre mão das relações corpo a corpo para conviver com quem nunca viu. É o ser que rejeita a balada para ficar de site em site ou assistindo filminho. Como se isso não fosse resultado de uma escolha.
Em suma, é sempre aquela velha história entre a vizinha A e a vizinha B.
Toda vez que a vizinha A encontrava com a outra, era a mesma conversa:
- Fulana, como você está gorda....
A criatura ainda tentava justificar...
- Mas eu acabei de ter bebê... é normal.
- Cuidado, você é recém casada e sabe homem como é....
Alguns anos depois, quando já moravam em ruas diferentes, a vizinha B, enxuta, dentro de uma calça jeans super gostosa, encontra a outra e pensa: "quero ver o que ela vai dizer agora". E escuta:
- Fulana, como você mudou!!! Sei não, viu....precisa de um pouco mais de carne. Homem não gosta de mulher muito magra.

12 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

Pelo jeito eu liguei o Foda-se muito cedo...e eu morri de rir porque, é verdade, o mundo tá cheinho de vizinha A.

Leonardo Xavier disse...

Realmente, é impossível agradar a todos como diz o Cardoso: "Haters gonna Hate!"

Mariana disse...

Os outros gostam mesmo de cobrar, mas eu mesma me cobrei certa vez, pelo tempo que pasava longe de casa a trabalho, mas a vida me mostrou que SÓ eu posso me melhorar(ou não). Portanto, os outros...

Caminhante disse...

Eu não sei se já liguei o foda-se. O que sei é que nunca passei por uma fase "nossa, como ela é legal". Então, sempre agi sabendo que ninguém ia achar nada legal.

Danielle Martins disse...

Vamos afogar a Vizinha A? kkkkkkkk
Adorei!

Ellie disse...

Tomo a liberdade de transcrever um trecho de um livro que repousa aqui em meu criado-mudo:

"Medo de desafinar - ai! - que duro o julgamento desse próximo, medida de todas as coisas. Tão atento o nosso próximo. Atento e desatento: condena, absolve, aconselha, desaconselha e depois vai tomar chope, esquece. O objeto do julgamento - o réu - levando tudo tão a sério, fazendo e desfazendo. E o outro, como no poema, tirando ouro do nariz."
(Lygia Fagundes Telles - A disciplina do amor)

Quer dizer. Não vale a pena dar ouvidos, essa gente de nada sabe.

M.W. (@daconito) disse...

Leoni canta uma música, que costumo dizer q ele canta pra mim.
Tirando toda temática romântica:
"Depois de VOCÊ(EU) os outros são os outros e só."

eusoqueriadizer disse...

Superrrrrrrrrr normal, e o problema é q esse tipo de pessoa não se limita apenas a vizinhas... Elas são colegas de trabalho, "amigas", parentes... Vc sempre está mto gorda, mta magra, mto acabada, mto cansada, mto folgada... Acho na verdade é q são pessoas q se incomodam com a gente...

Bjusss

Lucila disse...

Não acho que foi ausente. Deveria ter curtido mais, teve filhos tão cedo. Horas. Beijos.

Lélia Maria disse...

sabe, anne... eu sempre achei que quem se incomoda demais com a vida dos outros é pq tem uma vida muito sem graça. vizinhas assim sempre existiram, pessoas pra julgar a gente também. ligue mesmo este botão e vá ser feliz com as suas escolhas.

teo disse...

há as pessoas que caem na armadilha e tentam vender e manter uma imagem... Para os outros.. Eu já estive nesta para buscar a aceitação social. Hoje estou melhor.

S. disse...

Vizinha a de quem Azeda tudo.
beijinhos fofos.