16 de junho de 2010

Um post:

Coisas que você descobre revendo filmes melosinhos da década de 60:

As igrejas medievais possuiam fachadas ricas em detalhes e desenhos sacros porque a maioria das pessoas não sabia ler. Essa era uma das maneiras de lhes ensinar as passagens da Bíblia.

O Candelabro Italiano (Rome Adventure)

E seu desdobramento:

Anne, a igreja católica sempre se preocupou com a sua versão da história. A não leitura, o fato de se privilegiar a oralidade, resulta na impossibilidade de interpretação, da não formulação de um pensamento próprio...

Obrigada, Assis. Um abraço.

5 comentários:

S. disse...

A genialidade de uns para garantir a ignoRañcia de outros. ô mundo! rsrsrs. Beijinhos doces.

Assis Freitas disse...

obrigado a vc, e outra coisa: desses filmes italianos tem um que assisti muitas vezes Dio come ti amo. Explico: eu tinha uns 12 anos, século passado, passado, e uma marca de sabão em pó dava convites para o cinema como brinde. Eu quase decorei a canção melosa e me afoguei nas lágrimas da protagonista,

abraço

Belos e Malvados disse...

Assis, também já me emocionei muito com Dio come ti amo, nossa! Assisti várias vezes na tv, essa do brinde eu não sabia.
Bom, se vc for mais um nostálgico de plantão, é super fácil achar os vídeos da Gigliola Cinquetti no you tube. Tem as três músicas que ela canta no filme (Dio come ti amo, No ho l´etá e Ho bisogno di vederti). Ainda acho todas uma graça.

S. outros beijinhos prá vc.

Borboletas nos Olhos disse...

Também vermelha é a nostalgia, você não acha?

Belos e Malvados disse...

Acho sim, Borboletas. E também os poemas da Sylvia Plath que esqueci de citar lá no seu blog.